14.11.14

Nova Tag: Decoração

Eai, meu povo e minha pova? Tudo bem com vocês?
Olha que coisa legal, tô aqui pra estrear nova tag no blog!
Aí vocês pensam: "Tá e daí?". Daí que nada, né? #pokerface

Sempre que me perguntam: Ahh Carol, sobre o que é o seu blog?
Após os costumeiros minutos de inatividade cerebral eu costumo responder que é sobre as coisas que eu gosto. Só que DECORAÇÃO é uma coisa que eu gosto muuuuuito e nunca falei aqui.
Como ultimamente eu ando falante e escrevente, resolvi que vou começar a postar aqui as coisas que eu gosto mesmo! hahaha
Me aturem. Ou fujam. Mentira, fujam não, venham cá e me deem um abraço. Coletivo ♥

Bom amiguinhos e amiguinhas. Eu infelizmente ainda (ainda) não tenho a minha casinha para decorar e mostrar aqui para vocês. Mas o que não me faltam são idéias.
Eu tenho um catálogo de idéias e de coisas que farei quando a casinha chegar. Mas enquanto ela não chega, vou mostrando aqui as inspirações e anseios dessa pseudo-decoradora-wannabe.

Aceitam-se críticas, sugestões, ideias e macetes dos paranauês das decoração tudo!

Primeira inspiração da nova tag, é uma coisa que eu desejo MUITO ter.
E confesso que só não tenho ainda, por absoluta falta de espaço na atual casinha que moro.
Maaaaas, como na minha futura casa terei uma, já fico doida reunindo inspirações e idéias.

Penteadeiras

Gente, por favor! Meu sonho de menina que virou coisa brega e ultrapassada e depois renasceu das cinzas revitalizada (thanks God) ♥. Apenas que penteadeiras são a coisa mais amor que existe!
Eu quero, quero e quero uma!




01- Isadora - E agora Isadora?
02- Bruna Vieira - Depois dos Quinze
03- Mihh Costa - Black Colours
04, 05, 06 e 07 - Encontradas no Pinterest
(se alguém souber o dono, é só avisar que eu coloco os créditos)



O que vocês acharam? Eu poderia ficar dias colocando referências aqui ♥
Qual vocês teriam? De qual gostaram mais? 
Me conta aqui nos comentários porque eu não consigo escolher uma só!

Ps: Desculpem o sumiço, meu amores! É final de semestre, vocês não imaginam a loucura que está sendo (ou talvez imaginem)... Sorry!

8.11.14

As ilustrações de Mônica Crema

Ilustrações. Esse é um assunto que eu AMO e que, percebi que nunca falei aqui no blog sobre isso.
Hoje vim mostrar uma das minhas artistas preferidas.


Mônica Crema

Não sei muito sobre a Mônica. Não tem muitas informações em sua Fanpage. Lá só diz que ela é Mônica é ilustradora formada em Design Gráfico e que ela acredita que a vida precisa de mais fantasia e a criatividade de mais liberdade. ♥
Mônica é de Belo Horizonte e em breve o projeto Mulheres nos Quadrinhos, formado por 25 ilustradoras, vai virar um livro que contará com a participação da artista.
O Instagram dela é @monicacrema.art e eu acho que você super deveria seguir porque é puro amor ♥
Dêem uma olhada e morram de amores:

Eu tenho vontade de colocar TO-DAS. Porque elas são perfeitas! Eu amo o traço, a delicadeza e o sentimento dessas ilustrações. São todas lindas, muito lindinhas!
Se você pensou "Dá até vontade de tatuar", te digo que conheço quem pensou - e fez - o mesmo:

Fotografia: Paula Soares
Fotografia: Paula Soares

Tatuagens da Paula Soares, minha amiga blogueira e fotógrafa, que escreve o blog A Culpa é da Paula.
Outras pessoas também fizeram, mas como só conheço a Paula, vou mostrar só as dela :)

E vocês? Fariam uma tatuagem com as ilustrações da Mônica Crema? Vou confessar que andei sonhando com alguns desenhos desses na minha pele!

Se você gostou, acompanhe a Mônica Crema:
E não esquece de me acompanhar também! (clique aqui)

1.11.14

Desafio Literário: Picture Chalenge Livros


No mês de setembro, a Nina me desafiou a seguir esse desafio. Não sei definir se foi um desafio fotográfico ou literário. Então, acho que foi ambos! Eu escolhi fazer no Instagram, porque estou sempre com o celular ao meu alcance e estou sempre perto dos meus livros.
Descobri que gosto de desafios! Yay
No Flickr, eu cheguei a fazer o desafio "52 Weeks". Para quem não conhece, o desafio consiste em fazer uma fotografia por semana, contabilizando ao final 52 fotografias = 52 semanas.
Na primeira vez, em 2012 eu concluí. Já na segunda, em 2013... abandonei.
O que eu penso, realmente, dos desafios fotográficos é que eles me ajudam a praticar fotografia. Como é o caso do 52 Weeks. Em 2012-2013 eu vivia com a câmera na mão. Então não tive muitos problemas em seguir o projeto. Uma foto só por semana é moleza. né?
Bom, nem sempre. Eu comecei a viver uma rotina enlouquecedora e digo pra vocês: só pegava na câmera quando tinha trabalho.
Aí a rotina abrandou... mas o mau costume ficou. Continuo só pegando na câmera quando tem trabalho.
Ou pra fazer fotos pro blog - ponto pro blog!
Em épocas de instagram, smartphones e aplicativos, os desafios ficaram mais fáceis e preguiçosos pra mim. O Instagram é a melhor rede social para isso - mas apenas porque o tempo que levo para fotografar, passar as fotos pro computador, editar e postar no flickr é mais do que eu posso dispôr no momento.
O meu instagram é tosco, vocês podem dizer que não parece um perfil de uma fotógrafa - eu aceito!
Eu confesso, as fotos do meu celular são toscas - lidem com isso ou me mandem um melhor de presente hahaha
O que eu posso dizer é que, apesar dos meus vacilos, valeu muito a pena seguir o desafio dos livros.
Quero já uma nova profissão: fotógrafa de livros ♥ Me contratem, me indiquem. Sério, adorei fazer isso!
Eu ia até fazer um Stop Motion dos 30 dias, mas não tive tempo.
Gostei tanto da experiência, que resolvi trazer a ideia pra cá e mostrar algumas fotos.



Quando acabou, fiquei sentindo um vazio. Fiquei órfã!
Porém, minha amiga Denynha, me convidou para participar de um novo desafio para o mês de Novembro.
Novamente, farei pelo Instagram pela praticidade da coisa.
Quem quiser participar, é só seguir as tarefas da imagem abaixo e usar a hastag #abardelivrosbrasil - pra gente poder acompanhar quem também está brincando!


O que vocês acharam? Vocês já fizeram algum desafio assim? Enjoy!
Se alguém tiver algum novo desafio criativo desse estilo, pode me mandar que se tiver como, eu farei! ♥

Aaah, e me segue lá no Instagram também - Vou começar hoje mesmo!

22.10.14

A Estrela de Prata - Jeannette Walls

Eu queria começar a falar de Jeannete Walls falando sobre outro livro dela, O Castelo de Vidro.
Eu comecei esse post fazendo uma resenha dupla sobre os dois livros, mas não gostei de como estava ficando e resolvi focar em um de cada vez.
Li o A Estrela de Prata recentemente, então vou deixar O Castelo de Vidro para outro momento, porque vou pegar para relembrar umas partes e marcar uns pontos legais para a resenha. Mas já adianto que ele é um dos meus preferidos da vida - então podem me cobrar!
Como disse no post do Book Haul, quando vi esse livro na livraria, esqueci o que tinha ido procurar e abracei o livro correndo para o caixa. Agora vou contar porque não me arrependi!


Para começar, "Estrela de Prata" é a terceira maior condecoração militar concedida a um membro de qualquer ramo das Forças Armadas dos EUA e terceira maior premiação por bravura ao enfrentar um inimigo, um reconhecimento por um ato de heroísmo. Demora-se um pouco para conhecer a história da Estrela de Prata no livro, mas ninguém seria mais merecedora de uma condecoração dessas do que as irmãs Liz e Bean - protagonistas de verdadeiros atos de bravura contra o maior inimigo que duas crianças podem enfrentar sozinhas: o abandono.


Charlote Holladay é uma aspirante a cantora na Califórnia dos anos 70, mãe de Liz e Bean.  Uma mulher deslumbrada com a fama que pretende alcançar quando for reconhecida como artista e que não hesita em abandonar as filhas sozinhas quando precisa correr atras de algum teste ou oportunidade para mostrar seu talento em agências e produtoras. Charlote não é uma pessoa centrada ou responsável, mas acredita que o único modo de viver, é esquecendo o passado e correndo atrás dos sonhos para conquistar o futuro. Não teria nada de muito errado nisso, se ela não negligenciasse a criação de suas filhas. De certo, Charlote amava muito as meninas, mas amava a si mesma em primeiro lugar e num dos devaneios de fama emergente, larga as filhas sozinhas com dinheiro suficiente para sobreviverem por um mês e some no mundo.
Mas muito se engana quem pensa que o livro é sobre a loucura de uma mãe negligente, o rancor de filhas abandonadas à própria sorte ou as implicações que um caso de abandono de incapaz poderia gerar. O livro é sobre Liz e Bean, duas irmãs que precisam enfrentar coisas muito difíceis juntas e precisam crescer antes do tempo para sobreviver. Liz e Bean aprendem muito cedo como é difícil ter que enfrentar a crueldade das pessoas, diversos tipos de preconceito, a hipocrisia que os adultos levam suas vidas, os segredos de família a que nunca tiveram acesso, parentes que desconheciam e principalmente, como o amor entre irmãs pode ser capaz de enfrentar a tudo isso e muito mais.

A aventura das irmãs Holladay começa, como dito anteriormente, quando sua mãe Charlote resolve ir atrás de uma oportunidade artística e some no mundo. Não era a primeira vez que isso acontecia e elas já estavam acostumadas. As meninas precisam se virar entre as tarefas domésticas, a escola, a curiosidade dos vizinhos e além de administrar bem o dinheiro que a mãe deixou para que se alimentassem pelo equivalente a um mês inteiro.  Elas cuidam uma da outra e compram tortas de frango no mercadinho do bairro para o jantar. Porém, Charlote sumiu no mundo por mais tempo do que as meninas conseguem disfarçar. Elas jamais duvidaram que a mãe voltaria, mas acabam atraindo a atenção do dono do mercado que muito prontamente resolve descobrir porque não tem visto a mãe delas pelo bairro.
Antecipando-se à visita dos agentes do Conselho Tutelar e acreditando que dessa vez estavam bem encrencadas, Liz e Bean resolvem fugir para não acabarem internadas em um abrigo para menores.

Os passarinhos me acordaram cedo na manhã seguinte. Eu nunca tinha ouvido passarinhos tão barulhentos.

Pensando sobre para onde poderiam ir, já que a mãe não deixou qualquer pista de onde estava, Liz e Bean resolvem viajar para a Virgínia, palco do passado e dos traumas de que sua mãe jamais falava. Elas procuram a velha casa da família e encontram tio Tinsley, um senhor viúvo, mau humorado e preso ao passado. A família Holladay era dona de um moinho de algodão onde trabalhava a maior parte da população da cidade e eram tão importantes, que até nomes de rua em homenagem aos Holladay existia. Mas com a decadência dos negócios, o moinho acabou sendo vendido para investidores e a vida do tio Tinsley perdeu um pouco do sentido. Então esse tio está enterrado em seu passado quando se dá conta de que as sobrinhas foram abandonadas por sua mãe e precisam de um adulto que olhe por elas. Então ele assume essa tarefa, porém tio Tinsley é um velho conservador e um pouco hipócrita e isso quer dizer que, apesar de prover abrigo e proteção, as meninas continuam se virando sozinhas.

Melhor carta. Liz ♥

Convivendo com o tio, as meninas acabam descobrindo a verdadeira história sobre o passado dos pais e conhecem parentes dos quais jamais ouviram falar. Liz e Bean fazem o que podem para se adaptar à nova rotina, aquelas pessoas e seus costumes típicos de uma cidade do interior. 
A escola onde vão estudar, na infantil ilusão de conquistar novos coleguinhas, se revela palco de uma tensa disputa territorial entre negros e brancos, ricos e pobres. Bean e Liz sofrem diversos tipos de preconceito e injustiças. Em meio a todo esse furdunço, uma coisa muito grave acontece e movimenta toda a cidade - além da mãe Charlote, que precisa enfrentar aquela cidade que tanto odeia para tentar ajudar e proteger as filhas.

E é óbvio que eu não vou contar o que é!


Toda a história, é contada aos olhos de Bean Holladay, uma menina de 12 anos, inteligente e espevitada que não tem papas na língua e frequentemente precisa se controlar para não falar demais. Isso confere o livro um tom de inocência e uma leveza já característica da narrativa de Jeannette Walls. Ela fala de coisas muito difíceis com uma simplicidade que deixa o leitor desconcertado. 
O comportamento instável e bipolar da mãe, confere às meninas uma maturidade incrível para a pouca idade delas. Por diversas vezes, Bean e Liz buscam compreender as atitudes da mãe, buscando meios de amenizar a história que contam sobre ela. Elas sabem que a mãe tem problemas mas procuram compreender as motivações de seus surtos, acabando por muitas vezes sendo cúmplices das situações que lhes são impostas. Porém a forma como elas encaram as adversidades é ao mesmo tempo realista e bela.
“Encontre a magia. E se você não puder encontrar magia, então a crie”
A Estrela de Prata, assim como o romance anterior "O Castelo de Vidro", traz um olhar crítico e dolorido sobre infância de crianças que são negligenciadas pela família. A história das irmãs não é narrada com rancor ou vitimização de duas órfãs com a mãe viva, mas com a esperança de um futuro melhor e com a certeza de podem superar qualquer adversidade com amor e persistência. A luta pela sobrevivência, o amadurecimento precoce, a busca pelo amor e a necessidade de extrair a felicidade e a esperança no meio disso tudo, também são temas bem focados no livro. Eu seria uma completa idiota se não recomendasse fortemente a leitura desse belo exemplo de um livro bem escrito.



Classificação: 5 Capuccininhos

16.10.14

One Lovely Blog Award

Nos tempos áureos da blogosfera, existia esses memes e awards que faziam sucesso nos blogs. Eu participei de alguns, sempre tive um pouco de preguiça de responder. Muitas vezes eu esquecia mesmo. Depois de um tempo, passei a gostar muito dos memes e comecei a participar de vários. Eu acho sempre muito legal ver as respostas dos blogs indicados e ir clicando de link em link, abrindo várias janelas e conhecendo mais blogs e mais histórias. Num loop. rs

A minha xará Carol do blog Uma Cadeira, por favor! me indicou e resolvi responder. 
A tag veio em boa hora, porque eu estava com uns 4 posts nos rascunhos e não conseguia decidir qual seria o assunto da vez. As perguntas são sobre o blog e eu respondi afim que vocês me conhecessem um pouco mais. Então, vamos lá!


#1 Por que decidiu criar um blog e quando começou?

Eu não faço a mínima ideia. Eu inclusive falei sobre isso ali na página "sobre", porque eu realmente não sei responder a essa pergunta. O Expresso pra Dois tem sete anos, mas antes dele tive outros. 
O primeiro blog que eu criei, foi há mais ou menos uns dez anos. Vocês, leitores de pouca idade, não se assustem com esse fato aterrorizante, dez anos atrás não é tanto tempo assim. Mentira.
Mas então: eu mal lembro o que fiz ontem, avaliem se vou lembrar do que me levou a criar um blog há tanto tempo...
Eu acredito que tenha sido porque eu via um monte de blogs falando bobagens e queria falar bobagens também. E eu era metida à escritora e me achava o máximo por ter ganho mais de uma vez o concurso literário na escola.
Então por isso, eu mantinha dois blogs porque eu achava que precisava manter os assuntos que eu gostava muito bem separados. Em um blog eu falava um monte de besteiras e destilava meu característico mau-humor, no outro postava minhas baboseiras literárias.
Depois que eu cansei de manter dois blogs, resolvi criar um só. O Expresso pra Dois foi criado pra ser um espaço que tivesse mais a ver comigo.

Vou roubar um pedacinho do que escrevi antes:
Imaginei um café literário, com musica boa, livros, amigos e boa conversa.
Onde eu pudesse sentar numa mesa, pedir um expresso e falar sobre a vida.
No começo, eu era metida a ser pseudo-cronista-escritora-wannabe. Grande parte do conteúdo antigo deste blog, são de textos, crônicas e contos.
Mas como a vida urge e as ideias não param, em pouco tempo o Expresso virou uma mistureba de tudo que eu gosto. E sinceramente? Gosto mais assim!

#2 Quais benefícios o blog te traz?

Benefícios múltiplos. Entretenimento, diversão, conhecer pessoas, mil coisas.
Mas um benefício recente que tenho observado: Na faculdade (faço Jornalismo), tenho que escrever de forma imparcial, ser muito direta e não posso me posicionar ou dar minha opinião no que escrevo. 
Aqui eu faço o inverso e eu adoro dar opinião. Então, de um modo ou de outro, estou melhorando e praticando minha escrita. Presa de um lado e livre do outro. óum 

Agora, se o objetivo da pergunta foi falar de benefício monetários, sobre ganhar dinheiro com o blog e patrocínios... aí eu não sei responder, não! Aliás, se alguém quiser me patrocinar, clica ali do lado no meu e-mail ou ali em cima em contato. Ok? Ok! Obrigada, de nada!


#3 Qual é o post mais acessado?

Tem dois que ficaram bastante tempo disputando pau-a-pau o primeiro lugar:
1º - Resenha do livro Presença de Anita - de Mário Donato
2º - Post sobre a campanha Twloha: To Write Love on Her Arms (Para Escrever Amor Nos Braços Dela)

#4 Você usa as redes sociais?

Sim, muito, o tempo todo - aliás, deveria usar menos! Eu sou aloka das redes sociais. Sempre que surge uma, eu corro lá e faço um perfil... Vai que bomba? Já garanto logo o username.
Se vocês quiserem me seguir, aqui do lado tem algumas e na página sobre o blog tem todas. rs
Se tivesse uma rehab de redes sociais, me forçariam a ir para lá. E eu diria no no no. 


#5 Como o blog tem evoluído?

Não sei, gente! Vocês acham que o Expresso está evoluindo? Me digam ai!
Aceito sugestões, inclusive. rs


#6 Já viveu algum fato importante por causa do blog?

Eu conheci a minha comadre Talita, que me deu a grande honra da minha vida que é ser madrinha da filhota dela . Uma menina linda, iluminada e feliz chamada Larissa - que inclusive completou três aninhos ontem ♥. Quer fato mais importante que esse?


#7 De onde nasce a inspiração para escrever e continuar com o blog?

Em Wonderland - hahaha
Eu tenho um certo problema com isso. Às vezes o problema maior é desenvolver os 375 temas que eu penso. Outras vezes é achar um tema. Vou confessar uma coisa com vocês: tenho um oceano de coisas nos rascunhos aqui. Alguns não quero mais escrever, outros é só o título, outros tem uns tópicos para desenvolver... E tem uns prontos também. As ideias vem de todos os lugares. Por exemplo, se termino de ler um livro, automaticamente já penso em falar sobre ele. Ou então sobre um filme ou música... Música, aliás, sempre me inspira a escrever. Tem vezes que eu estou feito alguém na beira de um penhasco e grito "o que eu escrevoooo?" e só escuto o eco "evo evo evo". Aí eu vou e cato algum tema de algum lugar, do grupo Rotaroots, respondo um meme ou deixo pra postar outro dia mesmo. Shame on me.


#8 O que você tem aprendido a nível pessoal e profissional esse ano?

Mas que pergunta de  mãe! Quase ouço minha mãe perguntar algo desse gênero.
Cara... A nível profissional é uma boa pergunta, porque eu saí de um emprego que me sufocava e me enlouquecia e até então não sei bem o que vou fazer daqui em diante. Eu quase sei, aliás. Porque eu sou a 'rainha do quase-saber'. Mas vou tocando, tipos, sei lá... Sabem?
Esse ano eu estou focada nessa mudança de profissão que eu me sujeitei e estou focada, principalmente, na faculdade. Então acho que são várias coisas para pensar e avaliar. E eu meio-que não fiz isso direito ainda.
Então, não tenho muito o que falar.
A nível pessoal... sei lá também. Várias coisas, suponho. Acho que é a mesma coisa que disse antes.
Eu sou confusa, eu sei. Mas é o meu jeitinho...


#9 Qual é sua frase favorita?

Depende. Do dia, do momento, do seriado ou do livro que eu esteja lendo. Depende da vida, do universo e tudo o mais. Eu coleciono quotes dos livros que leio, então eu tenho inúmeras frases preferidas.
Mas pensando bem, tem uma frase da minha amiga Rafaela Melo que me define bem (e que andei usando como Bio nas redes sociais). Gosto muito dela e é uma das minhas citações preferidas:

"Tão desorganizada eu que sou uma consigo nem frase organizar não" 



#10 Qual conselho você daria para quem está começando agora no mundo do blogs?

Run, Forrest, run! 
Escrever um blog é mais ou menos como tentar se manter são no meio de um monte de doidos. É sério, blogueiro não é uma raça de gente normal.

"- Mas eu não quero andar no meio de gente louca!
- Oh, mas isso você não tem como evitar - disse o Gato - somos todos loucos por aqui." - Lewis Carroll

#11 O que os blogs que você vai indicar tem em comum?

Todos tem uma característica única em comum: eu gosto! ♥



A regra é indicar outros 11 blogs e avisá-los da indicação.
E aqui criou-se um grande problema: Muitos que eu queria indicar já responderam.
Então, se algum de vocês já tiver respondido, deixa o link aqui pra mim, ok?
Então vamos lá, the oscar goes to:

1 - Talita Vieira - Amor pra Recomeçar
2 - Dani Antunes - (Des)graça pouca é bobagem
3- Karolyn Petrucci - O Mundo de Karolyn
4 - Paula Soares - A Culpa é da Paula
5 - Nina Vieira - Cronista Amadora
6 - Gabriela Melo - 187 Tons de Cinza
7 - Tamirez Santos - Resenhando Sonhos
8 - Érika Leite - Cansei de ser Nerd (o blog tá parado, mas será que ela responde?)
9 - Alexandre Lúcio - Elos no Horizonte
10 - Calyci Oliveira - Sai da minha lente
11 - Jessica Mendes - Valeu a pena esperar


Tô doida pra saber o que vocês vão responder.

Carolina! Na verdade se chama Ana Carolina e não gosta de ser chamada de Ana. Não revela a idade, mas todo mundo diz que aparenta bem menos. Fotógrafa e estudante de Jornalismo. Mudou de área depois de anos insatisfeita com a profissão. Carioca, apaixonante e implicante. Carinha de 8, espírito de 80 anos. Chata, mal humorada e anti-social. Gosta de rimas simples, de frases bobas e é viciada em café. Na vida passada foi um gato tamanha preguiça. Tem mania de ter manias, coleciona coisas inúteis e acha ridículo isso de falar de si mesma em 3º pessoa.

 
Expresso pra Dois © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Rafaela Melo :: voltar para o topo